Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Mãe que enterrou filha viva para encobrir estupro é condenada a quase 40 anos de prisão - Difusora FM 99.5

Fale conosco via Whatsapp: +55 67 9 9249-9001

No comando: Coração Sertanejo – Apresentação Nenê Veloso

Das 05:00 às 7:00

No comando: Ranchinho da Serra – Apresentação Pedra Branca

Das 07:00 às 08:00

No comando: Difusora Notícias – Apresentação Henrique Ferian

Das 07:00 às 08:00

No comando: Ooo de Casa – Apresentação Vitória Pavan

Das 08:00 às 11:00

No comando: Tribuna Livre – Apresentação Henrique Ferian

Das 11:00 às 12:00

No comando: Difusora nos Esportes – Apresentação Nenê Veloso

Das 12:00 às 13:00

No comando: Gospel

Das 12:00 às 13:00

No comando: Top Gospel 99 – Apresentação Vitória Pavan

Das 13:00 às 16:00

No comando: Difusora Show – Apresentação Júnia Ziryab

Das 13:00 às 16:00

No comando: Vai de Carona – Apresentação Henrique Ferian

Das 16:00 às 18:00

No comando: Mix Difusora – Playlist Musical

Das 19:00 às 20:00

Mãe que enterrou filha viva para encobrir estupro é condenada a quase 40 anos de prisão

Emileide Magalhães, de 30 anos, foi condenada, nesta quarta-feira (12), a 39 anos, 8 meses e 4 dias de prisão em regime fechado pela morte da própria filha de 10 anos. A mulher teria asfixiado e enterrado a menina viva de ponta cabeça para encobrir que a vítima tinha sido estuprada pelo padrasto.

À época, a mulher teria obrigado outro filho, de 13 anos, a ajudar a enterrar a irmã. O crime aconteceu em março de 2020, em Brasilândia (MS). Emileide foi condenada por homicídio qualificado, ocultação de cadáver, falsa comunicação de crime e corrupção de menores por ter obrigado o filho adolescente, de 13 anos, a participar do assassinato da irmã.

O júri, realizado em Três Lagoas (MS), teve transmissão ao vivo pela internet. Questionada pelo juiz Rodrigo Pedrini Marcos sobre o porquê de ter agredido a filha, Emileide respondeu: “não sei falar para o senhor”.

A mulher confessou durante a audiência ter enterrado a filha e alegou achar que a menina já estivesse morta. “Joguei pedaço de terra dentro do buraco, mas pra mim ela já estava morta”.

Em pergunta à acusada sobre os abusos sofridos pela filha, Emileide respondeu que “talvez” tivesse escutado a menina ter falado sobre o caso de estupro.

O marido da condenada na época, André Luiz Ferreira Piauí, está preso por estupro de vulnerável. Durante o julgamento, Emileide contou que ainda recebe cartas de André, mas negou ter um relacionamento com ele.

Na audiência, a dona de casa disse ter se arrependido do crime cometido contra a filha. O garoto cumpre medidas socioeducativas em uma Unidade Educacional de Internação (UNEI).

O crime

Investigações realizadas pela polícia apontaram que a criança estava denunciando abuso sexual, por parte do padrasto, quando o crime ocorreu. O irmão da vítima, de 13 anos à época, ajudou a mãe no crime e chegou a ser apreendido. À polícia, o garoto contou que a vítima pedia por socorro de dentro do buraco.

Deixe seu comentário: